Pagamento à vista versus à prazo

Enviado por admin, seg, 22/02/2010 - 10:19
Seu voto: Nenhum Classificação: 3 (1 voto)

Aí está um velho dilema. Pagamento à vista versus pagamento à prazo.
Para simplificar se você é iniciante em educação financeira não faça como a maioria dos sites do ramo recomenda. Em sua grande maioria preferem dizer que em suas contas sempre, ou quase sempre o valor parcelado é o melhor.
Discordo completamente com essa política de educação financeira e acho uma irresponsabilidade.
Educação financeira passa pelo conhecimento e dessa forma existem etapas que devem ser seguidas.
Na maioria dos casos, sim, o parcelamento é um negócio melhor por vários motivos que iremos expor, mas quem não tem o controle das finanças fará para o futuro uma dívida maior do que sua capacidade financeira de pagamento, pois, a compra por crédito dá uma falsa sensação de que você continua tendo o dinheiro, o que não é verdade, já que um dia a dívida será efetivamente executada.
A vantagem do parcelamento é que você não ficará descapitalizado e poderá fazer bom uso desse dinheiro fazendo com que o mesmo trabalhe para você, ou evita-se ser pego em eventualidades em que você esteja descoberto.
Como em toda formação de preço, onde é possível realizar o parcelamento “sem juros”, os juros na verdade já estão embutidos, ficando fácil ficar tentado à dividir.
Mas o que devo fazer então?
Se iniciante e não quer correr risco em virtude da falta de controle sobre suas finanças minha recomendação é pague à vista sempre que possível e tente obter desconto em virtude desse pagamento antecipado (você está antecipando o pagamento dos juros e por isso à priori deveria ter desconto, afinal você está disponibilizando todo o dinheiro agora) e comece urgentemente sua educação financeira, assim, obterá a liberdade de escolha.
Caso deseje parcelar sempre tenha em mente sua capacidade de pagamento. Nunca compre nada sem ter o dinheiro para pagar à vista. Ou seja, divida, mas saiba que você poderia até pagar tudo. Criar dívida confiando no dinheiro que vai sair, ou no décimo terceiro pode ser um tiro no pé. São raras exceções no Brasil onde podemos garantir fonte de renda segura (se você for o sortudo nessa  situação e não corre o risco de perder o emprego ou exista a garantia real de renda, despreze isso, mas só um pouco...).
Ao considerar o pagamento faça uma análise do tipo de aplicação que você tem (o  juros pagos na sua aplicação) e quanto você ganharia realizando o pagamento à vista.  Antecipar determinadas contas pode ser interessante – negocie com a escola um desconto por pagar um grande período, IPTU, IPVA, etc. Veja se o desconto é maior que o juros pagos no investimento e reflita sobre condições subjetivas como o conforto de ter uma conta quitada e a disponibilidade do dinheiro para eventualidades.
Como pode ver não existe uma fórmula mágica pronta. E como toda educação é necessário exercitar o conhecimento, praticar no dia-a-dia para obter uma melhor saúde financeira.
À medida que caminhar além do controle financeiro e engajar em aplicações e criação de fontes de rendas sentirá notará uma necessidade crescente por disponibilidade financeira e com isso e com a responsabilidade adquirida poderá tirar proveito dos parcelamentos executados.